2via boleto

Vitrines são responsáveis por 70% das vendas

vitrine

Considerada uma das mais importantes ferramentas do varejo, a vitrine é responsável por 70% das vendas realizadas, apontam estudos do setor.

É importante reforçar que a vitrine não se resume somente à frente da loja. Tratamos todo o estabelecimento como vitrine, inclusive a parte visual, o atendimento, a aparência da equipe, a disponibilidade de produtos, a facilidade de acesso, o corredor, a iluminação, entre outros detalhes. O visual merchandising trabalha com cada um desses elementos, que podem ajudar ou atrapalhar a venda.

Muitos lojistas não veem a vitrine como um investimento, mas sim como uma despesa e acabam focando os investimentos em outras mídias. A vitrine é uma poderosa ferramenta que você consegue mensurar o retorno quase instantaneamente.

Porém, é preciso estudar muito os produtos disponíveis, a loja, o perfil dos clientes, a estação e outros detalhes para não fazer feio logo na vitrine. Entre os principais erros apontados estão a falta de uma mensagem clara e até o exagero da mesma. Ou o lojista expor todas as possibilidades de compra que sua loja oferece, o que acaba confundindo o consumidor.

Além disso, a vitrine precisa ser coerente com o público que pretende atrair e que não são todos os produtos que merecem destaque. Por fim, não vale a pena colocar produtos com pouca quantidade em estoque, pois pode prejudicar a imagem da loja e frustrar os clientes.

(Com Varejo S.A.)

 

Regulamentação da duplicata eletrônica é aprovada no plenário do Senado Federal

O plenário do Senado Federal aprovou nesta quarta-feira (17) o projeto de lei que regulamenta a duplicata eletrônica. A proposta segue agora para sanção presidencial.

O PLC 73/2018 moderniza o lançamento das duplicatas, comprovantes gerados pela venda de mercadorias ou prestação de serviços por uma empresa. Apresentado pelo deputado Julio Lopes (PP-RJ), o texto estabelece que as informações das duplicatas deverão ser obrigatoriamente registradas em um sistema eletrônico.

Entidades autorizadas pelo Banco Central serão responsáveis pelo registro e deverão guardar os títulos, controlar os documentos, formalizar provas de pagamento e fazer a transferência de titularidade. Atualmente, essas informações ficam dispersas. A duplicata em papel não será extinta e deve continuar sendo emitida normalmente.

*CNDL com Informações do Senado Notícias

 

Inadimplência: Limite de permanência em cadastro negativo deve ser contado do vencimento da dívida

A 3ª turma do STJ decidiu que o primeiro dia seguinte à data de vencimento de dívida é o marco inicial do prazo de cinco anos para a manutenção de informações de devedores em cadastros negativos, mesmo na hipótese de a inscrição ter decorrido do recebimento de dados provenientes dos cartórios de protesto de títulos.

O MP/DF ajuizou ACP alegando que a Serasa e uma empresa de serviços estariam mantendo a inscrição do nome de consumidores inadimplentes por prazo superior a cinco anos, contados da data de vencimento do título. Segundo o MP, os réus não realizariam qualquer controle sobre o prazo prescricional e a data de vencimento da dívida dos dados oriundos dos cartórios de protesto.

Em primeira instância, a ação foi julgada improcedente, sob o argumento de que o prazo de cinco anos se inicia com o envio, pelo credor, dos dados de inadimplência do devedor aos órgãos de proteção ao crédito. No recurso ao TJ/DF, os desembargadores entenderam que as informações poderiam ser armazenadas pelos órgãos de proteção ao crédito por cinco anos, independentemente da data de vencimento da dívida.

Fato gerador

Ao analisar o recurso, ministra Nancy Andrighi ressaltou que o marco inicial para a contagem temporal da anotação em cadastro de inadimplentes ainda não foi consolidada pelas turmas de direito privado do STJ. Segundo a ministra, a orientação jurisprudencial que mais se compatibiliza com os princípios do CDC é a de que o termo inicial de contagem do quinquênio, previsto no CDC, é o fato gerador da informação, ou seja, o dia seguinte ao vencimento da dívida.

De acordo com a relatora, a súmula 323 não exprime a totalidade do entendimento do STJ a respeito do prazo máximo de permanência de informações negativas nos bancos de dados de proteção ao crédito. Por esse motivo, a jurisprudência evoluiu para ressaltar que “os órgãos de proteção ao crédito não podem disponibilizar dados respeitantes a débitos prescritos”, haja vista que, “suplantada a pendência hábil a caracterizar situação de mora ou inadimplemento, desaparece o fato jurídico de interesse para o mercado de consumo”.

Por isso, apontou a ministra, “a manutenção da inscrição negativa nos cadastros de proteção ao crédito respeita a exigibilidade do débito inadimplido, tendo, para tanto, um limite máximo de cinco anos que pode ser, todavia, restringido se for menor o prazo prescricional para a cobrança do crédito”.

O entendimento da relatora foi acompanhado por maioria pela turma.

(Fonte: Movimenta com informações do STJ)

 

 

Dicas para implementar um cadastro

ACIP-TEMA-DIA-GESTAO-091020181) Crie um banco de dados com as informações básicas (nome, qualificação, endereço, data de nascimento e identificação - CPF e Carteira de Identidade).

2) Selecione e prepare 10 (dez) informações que julga relevantes e importantes na relação empresa e cliente, preferencialmente com respostas a serem selecionadas. O cliente tem pressa.

3) Não é preciso desenvolver engenhosos sistemas de informação. Utilize o básico, diferencie seus clientes e trate-os de forma personalizada. Não esqueça de diferenciar
seus clientes mais importantes (conforme seus próprios critérios).

4) Oriente a todos que trabalharem no atendimento a retomar uma conversa sempre do ponto de onde parou, evitando a repetição de perguntas.

5) Não force a relação enviando materiais não solicitados e sendo inconveniente. Aprenda como e quando o cliente quer ser abordado e utilize os canais apropriados. Cuide para que o cliente perceba que as informações captadas são de fato utilizadas. Ele se sentirá recompensado pela preferência.

(Fonte: CDL/BH)

 

CACB declara apoio a Jair Bolsonaro

Manifesto foi divulgado nas redes sociais da entidade e enviado à imprensa e associados

Em nota divulgada à imprensa nesta quarta-feira (03), a Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB) declarou apoio a Jair Bolsonaro, candidato à Presidência da República pelo PSL. Preocupada com a divisão política do País, a entidade acredita ser este o momento de criar um pacto nacional que nos permita confiar em um sólido recomeço.

“Precisamos preservar a democracia e as ações – como a operação ‘Lava Jato’ – que têm nos libertado da corrupção e das más práticas de gestão, tornando o Brasil mais transparente e mais confiável”, diz a nota, assinada pelo presidente da CACB, George Pinheiro.

Leia abaixo o texto na íntegra.

 

Como motivar uma equipe sem precisar gastar muito? Descubra agora!

Uma equipe mais motivada gera resultados muito melhores para qualquer empresa. Existem algumas práticas que, quando colocadas em prática, produzem um maior grau de satisfação e motivação entre os seus colaboradores. 

Pensando nisso, vamos abordar ao longo deste artigo algumas dicas para você, empreendedor, descobrir como motivar uma equipe sem realizar grandes investimentos. Afinal, a racionalização do gasto dos seus recursos financeiros é primordial para a alavancagem comercial do seu negócio.

Então, não perca tempo e continue a leitura até o final para não perder nenhuma informação. Veja! 

Reconhecer um bom trabalho 

É esperado que o empresário procure cobrar para que os colaboradores executem um bom serviço. Isso é muito importante, pois assim as atividades são feitas com um alto grau de comprometimento e engajamento. 

Entretanto, é fundamental, também, saber reconhecer um trabalho feito com qualidade. Além disso, é necessário dialogar com a sua equipe e demonstrar o contentamento. A valorização pode ser feita tanto de forma individual ou de forma geral, quando todos os colaboradores se uniram e tiveram um bom desempenho. Fique atento a essa dica! 

Dar bons exemplos para inspirar 

Inspiração é o que guia uma pessoa a buscar melhorar e seguir os padrões e atitudes do indivíduo que é referência para ela. Por isso, dar bons exemplos é uma forma prática e bastante válida para motivar a sua equipe.

Existem muitos casos que a própria trajetória de vida do fundador da empresa é um grande exemplo. Dessa forma, procure colaboradores que possuem características positivas e diferenciais que podem ajudar outros empregados a seguirem a mesma conduta. 

>> Confira também
Agenda de cursos, treinamentos e palestras das ACOP/CDL em outubro

Não se esqueça de sempre priorizar a escolha de pessoas que podem ajudar a replicar e espalhar o bom exemplo como uma cultura organizacional da sua empresa. O papel dos replicadores é primordial para motivar outros colaboradores da sua equipe, transmitindo virtudes e características que podem promover o crescimento pessoal e profissional. 

Oferecer benefícios aos empregados por meio de parcerias 

Os benefícios são uma prática já bastante utilizada para motivar a equipe. Entretanto, aqui não trataremos das bonificações financeiras. E sim, de outros benefícios que podem ajudar o empresário na tarefa de impulsionar os seus trabalhadores. 

Existem parcerias que dão acesso à cultura, descontos para produtos próprios e de outras lojas, dentre outros. Procure sempre a melhor opção para o seu negócio!

Estar aberto para ouvir e entender os funcionários 

O feedback é algo excelente para traçar novas estratégias e avaliar como está o ambiente de trabalho, as dificuldades e os elogios. Por isso, esteja sempre aberto e crie um canal de comunicação com os seus colaboradores para entender quais dificuldades podem estar impactando negativamente o desenvolvimento das suas funções. 

Ouça com atenção e procure ser solidário com a sua equipe. Isso gera muito reconhecimento e desperta o sentimento de valorização entre eles, melhorando a relação patrão-empregado. Afinal, os trabalhadores são os principais responsáveis por tornarem uma ideia empreendedora, de fato, uma realidade.

Além disso, os colaboradores que dão continuidade aos projetos comerciais e alavancam o crescimento empresarial como um todo. 

Ter metas claras e realistas 

As metas são fundamentais para promover a ampliação da operação comercial e por motivar os seus colaboradores. Essa motivação é conseguida, em grande parte, pelo pagamento de bônus e outros benefícios a quem consegue alcançar e bater as metas da empresa. 

Entretanto, é preciso que essas metas sejam bem claras e realistas. Isso é necessário, pois os seus empregados devem saber quais são as metas individuais para assim procurar alcançá-las. No quesito de ser realista, temos o fato de que devem ser possíveis de serem efetivadas. 

Vamos imaginar um exemplo para facilitar esse entendimento. Suponhamos que uma pequena loja de decoração, que vende em média R$ 30 mil reais por mês. Com isso, foi definido uma nova meta geral de vendas no valor de R$ 80 mil reais. 

Não é preciso ser um exímio gestor para compreender que essa meta está bem acima das capacidades do empreendimento. Desse modo, procure ser realista e discutir com os seus funcionários os valores anteriormente. 

Assim, será possível, de fato, alcançar as metas propostas, gerando retorno para o empresário e para os colaboradores. 

Comemorar as vitórias 

Existem inúmeros desafios na condução de uma empresa. Dificuldades e situações conflitantes tendem a aparecer naturalmente durante esse processo. Os momentos de conquista e vitória são muito importantes e não podem ser negligenciados. Por isso, esta é a nossa dica para motivar a sua equipe: comemore as vitórias. O grupo precisa saber reconhecer quando um bom trabalho é realizado. 

Essa é a dica básica para quem deseja motivar uma equipe. Não se esqueça disso! 

Investir em saúde e bem-estar 

Saúde, bem-estar e produtividade são fatores que estão intimamente correlacionados. Então, a nossa dica é procurar formas de melhorar o bem-estar, no trabalho e na residência do trabalhador. As startups — empresas de tecnologia disruptiva — têm iniciativas bem interessantes nessa área. Por exemplo, a inclusão de locais para relaxamento, redes e sala de jogos são estratégias adotadas. 

Com isso, o empregado sente-se valorizado e cada vez mais feliz em desenvolver as suas habilidades naquela empresa. Esses resultados são visíveis, visto que essas companhias contam com um grande grau de satisfação interna. Então, não perca tempo e procure adotar estratégias que podem melhorar na saúde e bem-estar dos seus colaboradores! 

Investir em espaços descontraídos é uma forma inteligente. Existem algumas outras opções que nós listaremos para que você, empreendedor, possa conseguir melhorar a saúde e o bem-estar dos seus funcionários. Veja! 

Uma rotina de atividade física, por exemplo, é uma forma interessante de melhorar a saúde no mercado de trabalho. A presença de um profissional para a execução de atividades básicas e práticas laborais já melhora muito a disposição e, até mesmo, a ergonomia.

Ao longo do artigo, você pode descobrir como motivar uma equipe, e qual a importância dessa prática para o crescimento pessoal dos seus colaboradores. Agora, que tal colocar em prática tudo o que foi abordado aqui no seu negócio?

(Fonte: CDL-BH)

 

6 cuidados e práticas para gerenciar e emitir boletos na empresa

Existem inúmeras formas de pagamento que um empreendedor pode adotar no seu negócio, melhorando a gama de opções de crédito oferecidas ao seu cliente. Os boletos bancários são bastante utilizados e apresentam algumas vantagens para vendas pagas por esse meio. Entretanto, é preciso ter atenção a alguns detalhes na hora de emiti-los e, principalmente, na gestão eficiente desses documentos. 

Dessa forma, tendo em vista algumas das dificuldades que podem surgir com essa modalidade de pagamento, desenvolvemos um artigo com 6 dicas essenciais para que o seu negócio possa emitir boletos com tranquilidade. Então, não perca tempo e confira todas as informações e dicas passadas ao longo do post. Vamos lá? 

1. Fazer a gestão de vencimentos 

Isso é uma prática imprescindível e com a qual deve haver um grande planejamento e vistoria dos pagamentos de boletos e outros documentos fiscais na data de vencimento. Com isso, todo o negócio tende a sair ganhando, pois serão evitadas multas e outras situações que podem impactar negativamente as operações comerciais. 

Os juros e multas cobrados quando o pagamento ultrapassa a data de vencimento são altíssimos, sacrificando recursos do caixa que poderiam ser utilizados em melhorias e no crescimento da empresa. Assim, é preciso organizar os boletos em uma ordem hierárquica de prazos, prestando atenção em eventuais detalhes presentes no documento. 

Um exemplo desse fator é a exigência de pagamento em agências bancárias específicas. Ou seja, é preciso fazer um planejamento que leve em conta todos esses detalhes. Além dos problemas já citados decorrentes de atrasos, existem, também, o protesto dos títulos em cartório. 

Isso pode gerar muita dor de cabeça e mais custos para a solução dos entraves decorrentes desse processo. É bastante comum essa frase no mercado corporativo que sintetiza como é preciso reduzir e estar atento às despesas: “custos são como unhas, se não cortar, eles só crescem”. Fique sempre atento a isso! 

2. Estimar a quantidade de boletos emitidos 

Esse é um outro fator de suma importância para uma boa gestão na hora de emitir boletos. Afinal, é preciso ter em mente a quantidade de documentos para planejar o recebimento desses recursos, além da quantidade de material para a impressão. 

Afinal, imagine que uma pequena loja emita em média 15 boletos por dia. Porém, em um determinado dia, houve um grande aumento nas vendas, elevando a emissão para mais de 300%. É bem provável que o comércio não esteja preparado para trabalhar com um crescimento assim. 

Por isso, é preciso realizar estimativas mensais e diárias de emissão, deixando sempre recursos e colaboradores qualificados para atuarem em situações atípicas. Não se esqueça! 

3. Utilizar um software de emissão de boletos 

A tecnologia é amplamente utilizada nas mais diversas empresas, de pequenos comércios a multinacionais. Nessa perspectiva, os softwares possuem uma grande importância no auxílio e automatização de tarefas que antes eram exercidas de forma manual. 

O uso de softwares e ferramentas tecnológicas são primordiais no processo de gestão dos documentos. Desse modo, fica muito mais difícil ocorrer situações de fraude e permitir que sejam melhorados todos os processos e despachos administrativos. 

Para emitir boleto não é diferente. Procure um bom software que possa auxiliar nesse processo e torne mais profissional essa tarefa. Além disso, é fundamental contar com a assessoria de empresas especializadas para encontrar uma ferramenta que atenda às suas necessidades e seja financeiramente viável. Pense nisso!

4. Escolher um banco de confiança 

O agente bancário tem uma participação primordial para uma emissão correta e sem incoerências dos boletos. Por isso, o primeiro passo é analisar as opções e contratar uma instituição que ofereça boas condições, economizando no pagamento de tarifas. 

Existem inúmeras vantagens em trabalhar com um parceiro que preze pelo profissionalismo e boa prestação de serviços. Assim, o crescimento orgânico do negócio tende a favorecer ambas as partes. Além disso, também pode haver oportunidades para discutir o oferecimento de linhas de financiamento mais atrativas e com juros reduzidos, estreitando a relação entre a empresa e a instituição bancária.

Na maior parte das vezes, as contas de pessoas jurídicas possuem vantagens mais competitivas. 

5. Faça testes e homologações 

Antes de começar a emitir os seus boletos é preciso testar a ferramenta que vai ser utilizada. Faça testes para encontrar possíveis erros e simule compras para verificar se todas as funcionalidades estão operando adequadamente. Gere documentos fictícios para realizar essa avaliação. 

Afinal, é bem melhor errar no papel do que na prática, não é verdade? 

6. Arquive os boletos adequadamente 

É preciso ter em mente que os boletos são documentos. Desse modo, necessitam ser armazenados e possuírem um acesso bastante prático, caso sejam necessárias eventuais consultas. Existem opções para guardá-los fisicamente ou salvos de forma online. 

Segurança é a palavra-chave para encontrar uma solução eficiente e acessível à realidade do seu negócio. Isso é bom tanto para a empresa quanto para os clientes, com uma segurança nos dados e informações pessoais transitadas nas mais diversas operações comerciais que ocorrem. 

É preciso ressaltar que a organização é uma característica que deve estar presente em qualquer empresa, que deseja alavancar a sua operação e crescer no competitivo mercado nacional. Os boletos, por exemplo, representam uma fonte de receita importante para custear as mais diversas despesas que ocorrem no dia a dia de um negócio. 

Além disso, é preciso ressaltar que a saúde financeira e, principalmente, o capital de giro estão intimamente correlacionadas a uma gestão eficiente de todos esses documentos e fontes de receita para o empreendimento. Um armazenamento seguro e produtivo dos seus boletos pode gerar um diferencial competitivo para o seu negócio. Pense nisso!

Percebeu como é fundamental realizar todos esses procedimentos para emitir boletos bancários com segurança? Essa é uma forma de compra em ascensão no mercado, muito devido ao grande número de clientes que ainda não possuem cartões de crédito. Outro público-alvo dos boletos bancários são as pessoas que possuem cartão, mas têm medo de informar os seus dados na internet. 

Por isso, é primordial evitar erros ao emitir boletos e procurar sempre prestar um serviço de confiabilidade e que priorizar o principal ativo do seu negócio: os clientes.

(Fonte: CDL-BH)

 

Como otimizar a gestão de vendas da empresa? Aprenda aqui!

Realizar uma boa gestão de vendas é indispensável para otimizar os resultados da loja e aumentar o lucro obtido. No entanto, existem desafios que devem ser enfrentados para alcançar esse sucesso. Por exemplo, superar a falta de processos claros ou profissionais devidamente treinados.

Por essa razão, o gestor ou empresário precisa recorrer a uma série de táticas, como a criação de mecanismos para conceder crédito com segurança, a mensuração dos resultados obtidos e a definição de metas desafiadoras para o futuro.

Sabemos da importância da gestão de vendas da empresa, por isso elaboramos este artigo. Nele, você vai entender as principais dicas para vender bem, com segurança e manter os clientes satisfeitos. Continue a leitura e fique por dentro do assunto!

Mensure os atuais resultados de venda

É muito difícil promover melhorias pontuais e consistentes sem que, primeiro, se conheça os resultados de venda. Todo gestor precisa entender o estado atual do negócio, somente depois definir e executar uma estratégia de melhoria.

Então inicie diagnosticando os atuais resultados, mensure o:

  • total de vendas realizadas por mês;
  • número de metas batidas;
  • percentual de clientes satisfeitos;
  • valor médio das vendas.

Essas são algumas das métricas mais importantes. Com elas, se o gestor, por exemplo, perceber que o valor médio das vendas (também chamado de tíquete médio) está abaixo do padrão do seu segmento, fica mais fácil reverter a situação com maior assertividade.

Conte com a ajuda de recursos tecnológicos

Além do tradicional software de venda, existem outras tecnologias que podem potencializar a performance da loja. É possível iniciar uma ação de e-mail marketing, investir em um sistema de CRM (destinado ao relacionamento com os clientes) ou usar os dados internos e externos para conhecer o público-alvo (Big Data).

A tecnologia também deverá ser usada para garantir maior segurança nas transações, especialmente na concessão de crédito próprio. Ao contar com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), torna-se possível consultar o CPF ou CNPJ do cliente na hora da compra, reduzindo significativamente as chances de algo dar errado.

Mantenha a equipe de vendas treinada

Por incrível que pareça, o principal motivo para os clientes deixarem uma empresa não é o preço elevado ou a falta de qualidade dos produtos. Segundo pesquisa veiculada pela Exame, 86% dos consumidores migraram para a concorrência devido ao mau atendimento.

Então é necessário manter todo o time qualificado para atender bem. No entanto, sabe-se que, no Brasil, os colaboradores passam por uma média de apenas 21 horas de treinamento ao ano, um número considerado baixo por especialistas.

O treinamento com ensino a distância (EAD) tem se mostrado uma poderosa ferramenta para manter os vendedores qualificados com custo acessível. Por meio de modernas plataformas online de educação, todo o time pode ser treinado com flexibilidade e custo-benefício.

Realize projeções de vendas e trace estratégias

Muitos comerciantes não possuem o hábito de criar projeções de vendas e discutir com seus funcionários acerca de estratégias para obtenção de melhores resultados. Isso é um grande equívoco, porém, pode ser facilmente eliminado.

Ao menos uma vez por semana, estabeleça projeções com os vendedores, pergunte-lhes sobre as principais vendas da semana e o que falta para concluí-las. Muitas vezes, o apoio da alta administração é suficiente para fechar mesmo as vendas mais difíceis.

Faça dessas reuniões um hábito dentro da loja, mantendo-se sempre atualizado e envolvido no processo de venda. Avalie se as projeções estão se concretizando, caso não estejam, identifique e neutralize a causa para o problema.

Estabeleça o preço certo para os produtos

Na gestão de vendas, estabelecer e administrar adequadamente o preço dos produtos é essencial. O preço correto transmite uma imagem alinhada ao posicionamento da empresa, facilita o fechamento de vendas e o alcance das metas da loja.

Existem três pilares para estabelecer bons preços:

  • os clientes — qual a percepção de valor do público-alvo?
  • a concorrência — quanto outras empresas cobram pelo mesmo produto?
  • os custos ­— quais custos estão envolvidos com a produção e/ou venda?

O preço ideal deve ser suficiente para pagar todos os custos e impostos, além de gerar o lucro desejado. Também é interessante eliminar o máximo de custos, desde que isso não afete a qualidade do produto, assim a margem de lucro poderá ser muito maior.

Defina metas desafiadoras para todo o time

Ainda existem lojas que não definem metas para seus funcionários, porém, isso implica em perda de competitividade e obtenção de piores resultados. Com boas metas, é possível direcionar a equipe, estimular grandes conquistas e obter resultados específicos.

De modo geral, metas de qualidade contam com 5 características, elas são: específicas, mensuráveis, alcançáveis, relevantes e temporais. Em muitos lugares, esse padrão é conhecido como SMART (em inglês, um acrônimo das palavras anteriores).

Também é interessante que o comerciante estabeleça metas individuais, fazendo com que os profissionais melhorem a cada período; e coletivas, estimulando a colaboração e o espírito de equipe dentro do estabelecimento.

Evite problemas com um bom sistema pré-vendas

Se as dicas anteriores forem seguidas, certamente haverá melhores resultados na gestão de vendas. No entanto, é importante considerar que diversas pessoas realizam compras a crédito com más intenções e, por muitas vezes, o lojista é prejudicado.

Como nunca, o número de inadimplentes tem crescido. Pelo avanço da tecnologia, as tentativas de golpes também são maiores e mais inteligentes. Então é preciso se proteger!

> Leia também:
ACIP/CDL realizam concurso para escolher melhor atendente de Patrocínio

É importante que a empresa conte com um sistema pré-venda, especialmente aquelas que disponibilizam crédito próprio. Desse modo, torna-se fácil identificar os clientes com perfil de bom pagador, bem como aqueles que possuem restrições.

Nesse caso, é interessante contar com produtos que ajudem a vender com segurança. Com uma simples consulta ao SPC, por exemplo, é possível confirmar os dados do cliente, identificar suas dívidas atuais e acompanhar seus últimos endereços.

Como visto, ao aplicar as dicas aqui citadas você conseguirá otimizar a gestão de vendas da empresa, realizar transações com maior segurança e manter a equipe entusiasmada na busca pelos resultados. A preocupação em vender mais e melhor deve ser diária, assim o negócio poderá ser muito bem-sucedido.

(Fonte: CDL-BH)

 

Veja 6 dicas para melhorar a qualidade de vida no trabalho!

Você enfrenta problemas com a falta de engajamento e a alta rotatividade de funcionários? Então está na hora de investir na qualidade de vida no trabalho (QVT). Um colaborador motivado e comprometido pode trazer inúmeros benefícios para o seu negócio.

O capital humano é peça fundamental para o funcionamento de qualquer empresa. Afinal de contas, boa parte do trabalho é desenvolvido por pessoas. Para que esses trabalhadores tenham alto desempenho, eles precisam estar saudáveis, felizes e motivados.

A fim de alcançar esses objetivos, basta instituir uma série de ações dentro da sua empresa que proporcionarão um ambiente mais harmônico e produtivo. O melhor de tudo é que isso reflete diretamente no faturamento do negócio. Veja!

Por que investir na qualidade de vida no trabalho?

Colaboradores felizes e satisfeitos produzem mais e com maior qualidade: simples assim! A QVT está relacionada às ações de uma empresa para garantir a satisfação dos funcionários, tanto no nível profissional quanto pessoal. Os resultados que o método pode trazer são:

  • redução da rotatividade e retenção talentos: ao prover o bem-estar dos colaboradores, você conseguirá manter bons funcionários dentro da empresa por mais tempo;
  • melhoria na saúde dos trabalhadores: ajuda a reduzir no número de doenças ocupacionais e atestados;
  • potencialização dos resultados do negócio: funcionário engajado tem um melhor desempenho. Com o aumento da produtividade e da qualidade do trabalho, o resultado é uma empresa com alta rentabilidade.    

Mas afinal, o que fazer para melhorar a satisfação dos funcionários? A seguir, você verá 6 dicas de ouro que podem alavancar os resultados do seu negócio.

Como proceder, afinal?

1. Construa um bom ambiente para o trabalho

É fundamental que a empresa forneça recursos básicos e tecnológicos para que o trabalhador possa desempenhar suas funções com eficiência. 

Invista em uma mobília de qualidade, ergonômica e segura. Além disso, mantenha o espaço bem iluminado e ventilado. Trabalhar em um ambiente com mais de 40º sem ar-condicionado ou ventilador, por exemplo, é desumano. Tenha em mente que um local confortável pode garantir uma melhor produtividade dos colaboradores.

As tecnologias empregadas no negócio também integram um bom ambiente de trabalho. Ter um software de caixa, por exemplo, que não trave e funcione com fluidez é essencial para evitar estresses e aumentar a eficiência.

2. Ouça seus funcionários

Nunca ignore o que seus colaboradores têm a dizer. Esse canal aberto de comunicação fornecerá informações valiosas sobre o nível de satisfação dos funcionários. Além do mais, eles poderão dar ideias para melhorar o funcionamento da empresa.

Se você não possui o hábito de ouvir, fique sabendo que o início pode ser desafiador. O funcionário pode ficar acuado e com medo de expressar insatisfações ou sugerir melhorias. Supere os obstáculos iniciais porque o resultado valerá a pena!

Quando o trabalhador percebe que suas opiniões são valorizadas pela empresa, nasce um sentimento de pertencimento. Ou seja, ele se sente como parte fundamental da empresa. A consequência é um colaborador mais envolvido com todo processo produtivo e preocupado com os resultados.

Use uma caixa de sugestões como ponto de partida. Leia todas as propostas com atenção e premie as melhores ideias. Esse é um estímulo para os funcionários participarem de algumas decisões da empresa. Faça também pesquisas de satisfação para identificar pontos críticos e medir o nível de felicidade no trabalho.

3. Reconheça e valorize os seus colaboradores  

Promover ações para reconhecer o funcionário é essencial para gerar motivação. E engana-se quem pensa que isso é feito por meio de aumento do salário. Muitas vezes, apenas um elogio público pode fazer toda a diferença.

Um bom caminho para valorizar os empregados é implementar uma premiação mensal. Aproveite o evento para anunciar o melhor vendedor do mês, por exemplo, e use brindes e bonificações para compensar aqueles que se destacaram. Isso fará com que todos se esforcem para bater metas e contribuam para o crescimento da empresa. Essa é uma forma de motivar e melhorar a autoestima do seu funcionário.

Invista em treinamentos para que os trabalhadores desenvolvam habilidades necessárias para executar as tarefas com eficiência. Acredite, isso também pode gerar motivação.

O valor investido nessas ações não representam nada perante o retorno que um colaborador valorizado pode dar. Já ouviu aquela frase: funcionário satisfeito trabalha direito? É por aí mesmo. A produtividade e, principalmente, a qualidade do atendimento podem ser reflexo do reconhecimento.

4. Fortaleça o clima organizacional

Este item está relacionado aos sentimentos dos funcionários e a forma que eles interagem entre si, com os fornecedores, clientes e todo público envolvido com a empresa. O nível de satisfação afeta diretamente o clima organizacional.

Seus colaboradores passam boa parte do dia dentro da empresa. Portanto, é essencial que eles se sintam confortáveis e que a convivência com a gerência e colegas seja harmônica. Não há nada pior do que problemas de relacionamento entre membros da equipe. Promova confraternizações, atividades de integração e busque resolver os conflitos pontuais.

Identifique deficiências, incômodos e as expectativas dos funcionários. Por exemplo: ao trocar um colaborador de setor, você precisa observar se ele está desempenhando um bom trabalho na nova função. A falta de identificação com o cargo pode contribuir para um clima ruim.

5. Dê feedbacks

Está gostando do trabalho de um funcionário específico? Diga isso a ele! Dar feedback é importante para direcionar o colaborador sobre o que pode ser melhorado e o que não deve ser feito.

Mostre o caminho das pedras e demonstre interesse em ajudá-lo a crescer. Esse retorno pode gerar motivação, fortalecer a autoestima e dar segurança para o colaborador desempenhar suas atividades com qualidade.

Nem todo mundo recebe bem os feedbacks negativos, mas eles também são importantíssimos para o crescimento profissional. Os elogios devem ser públicos, mas prefira fazer as críticas em particular. Mas atenção: muita cautela com a forma de abordar o funcionário. Cuidado com o tom de voz e com as palavras utilizadas para dar o feedback.

6. Seja flexível

A flexibilidade, principalmente com horários, é importante para manter um alto nível de satisfação dos funcionários. Afinal de contas, é preciso conciliar as necessidades profissionais com as pessoais.

Seu funcionário tem uma consulta médica? Libere algumas horas para ele cuidar da saúde. Avalie cada caso individualmente e certifique-se de que o andamento da empresa não será prejudicado.

Todavia, deve existir uma relação de confiança para que essa regra seja eficiente. Imprevistos acontecem, mas não todos os dias.

A qualidade de vida no trabalho tem relação direta com o faturamento da empresa. Quando os funcionários trabalham motivados, eles desempenham suas funções com mais eficiência. Por isso, vale a pena cuidar do bem-estar dos colaboradores. Afinal de contas, eles também são responsáveis pelo sucesso do seu negócio.

Gostou do conteúdo? Sim? Então, se deseja melhorar os resultados da sua empresa, aprenda também como motivar sua equipe de vendas!

(Fonte: CDL-BH)

 

Fique atento! O E-social tem o prazo de entrega prorrogado

O e-Social é o instrumento de unificação da prestação das informações referentes à escrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas e tem por finalidade padronizar sua transmissão, validação, armazenamento e distribuição, constituindo um ambiente nacional.

Segundo informações constantes do site da Receita Federal do Brasil, após ouvir as empresas com faturamento inferior a R$78 milhões, o governo ampliou o prazo da primeira fase de implantação do programa para esse grupo, que terminaria no mês de agosto. Nessa etapa, as chamadas empresas do segundo grupo deverão realizar seus cadastros como empregadores no sistema e enviar tabelas ao eSocial.

Com a mudança, a segunda fase, que se iniciaria em setembro, passou para o mês de outubro deste ano. A data prevista para o início da segunda fase é 10 de outubro. Nessa segunda etapa, os empregadores deverão informar ao eSocial dados dos trabalhadores e seus vínculos com as empresas, os chamados eventos não periódicos.

Assim, as empresas terão mais tempo para prestar as informações iniciais e suas tabelas, conforme definido na Resolução nº 04/2018, do Comitê Diretivo do eSocial.

As empresas que integram o primeiro grupo (com faturamento superior a R$ 78 milhões) deverão continuar enviando todos os eventos para o ambiente do eSocial.

ASPECTOS PRÁTICOS DO E-SOCIAL:

Dispensa de informações  relativas à saúde e segurança do trabalho:

De acordo com a Resolução nº 2 de 30 de agosto de 2016 os empregadores ficam dispensados de prestar informações dos eventos relativos a saúde e segurança do trabalhador (SST) nos 6 (seis) primeiros meses depois das datas de início da obrigatoriedade de entrega do e-social.

Tratamento diferenciado às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, ao Microempreendedor Individual (MEI) com empregado, ao Segurado Especial e ao pequeno produtor rural pessoa física:

O tratamento diferenciado, simplificado e favorecido a ser dispensado a esses tipos de empresa será definido em atos específicos em conformidade com os prazos previstos nesta Resolução.

 Substituição de outras formas de prestar informações:

A prestação das informações por meio do e-Social substituirá, na forma regulamentada pelos órgãos e entidades integrantes do Comitê Gestor do e-Social, a apresentação das mesmas informações por outros meios.

Regulamentação:

Os órgãos e entidades integrantes do Comitê Gestor do e-Social regulamentarão, no âmbito de suas competências, o disposto nesta Resolução.

Penalidades:

Quem estiver obrigado a utilizar o e-Social e deixar de prestar as informações no prazo fixado ou que as apresentar com incorreções ou omissões ficarão sujeitos às penalidades previstas na legislação específica.

Fonte: Site da Receita Federal do Brasil: